Pular para o conteúdo principal

Os contos de Beedle, o bardo (The tales of the Beedle, the bard)

Querida JK Rowling parafraseado Hazel Grace, "Eu leria até a sua lista de compras". O que mais me impressiona nas escritas de JK é a quantidade de detalhes impostas e criadas por ela, um mundo dentro do outro e entrelaçar personagens tão queridos com outros fa a nostalgia gritar!
Os contos de Beedle serve como os contos de fadas do mundo bruxo e traz histórias extremamente fofas e com a moral que não seriam tão bem explicadas se não fosse ele fazendo anotações preciosas, o próprio Alvo Dumbledore. Que emoção foi essa de ler essa maravilha?
Aqui nos temos 5 histórias, cheias de significados e e com lições valiosíssimas, sobre escolhas, consequências e moral.
O bruxo e o caldeirão saltitante
A fonte da sorte
O coração peludo do mago
Babbity, a coelha e seu toco gargalhante
O conto dos três irmãos (o mais famoso de todos por estar presente no sétimo livro Harry Potter e as relíquias da morte).  

SINOPSE: Os contos foram traduzidos das runas originais pela personagem Hermione, a partir do velho exemplar herdado por ela. São cinco histórias de fadas diferentes entre si. Histórias populares para jovens bruxos e bruxas, contadas há gerações aos filhos à hora de dormir. Pouco se sabe do passado de seu autor, apenas que Beedle, o Bardo, teria nascido em Yorkshire no século XV e possuía uma longa barba; mas suas histórias foram passadas de geração em geração e têm ajudado muitos pais bruxos. Não muito diferente dos contos escritos para pequenos trouxas.


Enquanto nos livros dos trouxas ela está ligada ao comportamento errado, aqui ela está associada aos heróis e às heroínas que são capazes de realizar mágicas para ajudar os outros. Só que ao mesmo tempo bruxos e bruxas descobrem que esta mesma magia pode lhes causar dificuldades e nem sempre é a solução para todos os problemas. Assim como em alguns contos de fadas, as histórias de Beedle podem assustar criancinhas, mas, por outro lado, as inspiram a serem honestas e a usarem seus poderes para o bem, algo que Dumbledore ressalta a todo momento em suas anotações.
A primeira das histórias, “O bruxo e o caldeirão saltitante”, tem como protagonista o filho de um bruxo muito bom que, após a morte do pai, decide não ajudar os outros como o pai o fazia; “A fonte da sorte” mostra a busca de três bruxas e um cavaleiro por uma fonte, cuja água concede boa sorte a todos aqueles que nela se banharem; em seguida, a mais assustadora das narrativas, “O coração peludo do mago”, sobre um velho bruxo incapaz de amar e uma donzela que em muito lembra as donzelas dos contos de fadas trouxas; antes da já conhecida “O conto dos três irmãos”, Rowling apresenta as aventuras da esperta “Babbity, a coelha, e seu toco gargalhante”.
Os contos de Beedle, o Bardo comprovam mais uma vez o talento de J. K. Rowling para transportar o leitor para o seu universo mágico e único. Pegue sua vassoura, alguns galeões e vá buscar o seu!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

1. Visão do Além (Grave sight)

Nunca tinha ouvido falar em Charlaine Harris. Não sabia (até a segunda temporada mais ou menos) que a serie de tv da HBO, True Blood era baseada em uma series de livros da mesma. Então graças ao irritante selinho amarelo que está impregnado a capa de Visão do além, me atentei ao fato de que essa obra era da mesma autora da series de livros que originou minha tão querida série (até a quarta temporada pelo menos, depois é tudo ladeira abaixo). Demorei um pouco para pegar o ritmo do primeiro volume das aventuras de Harper Connely mas do meio para o final me vi bem concentrada e ansiosa pelo o que viria a seguir. Harper tem o dom (ou não) de encontrar pessoas mortas e sentir como foi os momentos que sucederam a sua partida desta para melhor e com isso passa ser uma mercenaria de corpos humanos (no bom sentido, é claro), esse dom veio de uma acidente com um raio que caiu sobre ele quando a mesma tinha 15 anos. Acho que já li duas obras com essa mesma temática, será que uma nova moda está v…

Clube da Luta (Fight Club)

Bem vindo senhoras e senhores ao Clube da luta. A primeira regra para se estar aqui é: Não se fala sobre o clube da luta!  E a segunda regra é: NÃO SE FALA SOBRE O CLUBE DA LUTA!
Chuck Palahniuk (Tchâqui Pauniâqui) nos mostra com essa obra como podemos nos identificar com uma mente tão surtada (E não somos todos nós um pouco ou no meu caso MUITO, surtados?). Vi primeiro o filme por querer ser cult. Vi em uma lista que se você se identifica, é ou quer ser CULT você tinha que assistir a película protagonizada por Edward Norton e Brad Pitt para poder se encaixar nessa categoria. O que eu achei do filme? Genial. O que achei do Livro? BRILHANTE! Gostei de como a história é contada meio que de trás para frente e como tudo se encaixa perfeitamente (Ò Deus! porque não me abençoaste com um talento assim?). O enredo do livro nos trás mais detalhes dos personagens, A Marlla é uma figura esplendorosa com toda sua morbidez suicida e suas falas impactantes (Que outra mocinha de romance pede para abort…